domingo, 1 de maio de 2016

AVIFAUNA DE NITERÓI: UM GUIA PARA RESIDENTES E VISITANTES

AVIFAUNA DE NITERÓI: UM GUIA PARA RESIDENTES E VISITANTES


Môsar Lemos
INTRODUÇÃO
O município de Niterói conta com uma área de cento e trinta quilômetros quadrados e está localizado na micro-região do chamado grande Rio, no Estado do Rio de Janeiro, a vinte e dois graus de latitude Sul e quarenta e três graus de longitude Oeste, e possui atualmente uma população de cerca de quatrocentos e cinqüenta mil habitantes. A temperatura oscila entre dezenove e trinta graus ao longo do ano.
            Limita-se ao Norte com o município de São Gonçalo e com a baía da Guanabara; ao Sul limita-se com o Oceano Atlântico; a Leste com os municípios de Maricá e São Gonçalo e a Oeste com a baía da Guanabara.
            A altitude varia do nível do mar passando por duzentos e setenta metros no Parque da Cidade, tendo o ponto mais alto no Parque Estadual da Serra da Tiririca onde atinge a cota de 412 metros. Possui um clima tropical, quente e úmido (ZAIDMAN 1985).
            Conhecida como “cidade sorriso”, Niterói que em língua indígena significa “água escondida”, comemora sua fundação como sendo 22 de novembro de 1573, que na realidade foi a data em que Araribóia (cobra feroz), chefe indígena Temiminó, batizado como Martim Afonso de Souza, tomou posse da sesmaria que lhe foi dada pela coroa portuguesa como pagamento pelo auxílio na expulsão dos franceses do Rio de Janeiro.


Figura 1. Estátua de Araribóia na estação hidroviária.

Inicialmente com o nome de Aldeia de São Lourenço dos Índios, em 1819 foi elevada a condição de vila como o nome de Vila Real da Praia Grande. Em 1835 passou a ter a condição de cidade e declarada como capital da província do Rio de Janeiro e recebeu seu nome atual. Foi a capital do Estado do Rio de Janeiro até 1975, exceto durante o período compreendido entre 1894 a 1903 quando a capital foi mudada para Petrópolis (WEHRS 1984). Niterói ocupa hoje posição de destaque em qualidade de vida, sendo considerada a quarta cidade do Brasil sob este aspecto, e apesar do desenvolvimento urbano acelerado, e das agressões ao que restou da floresta Atlântica no município, ainda existem áreas verdes em Niterói capazes de abrigar alguns representantes da rica avifauna fluminense. Estes remanescentes de vegetação podem ser encontrados principalmente nos morros que circundam a cidade: Morro de São Lourenço, Morro da Viração, Morro da Boa Viagem, Gragoatá, São Domingos e Morro do Estado. Áreas verdes mais extensas são encontradas na Serra Grande, que faz divisa entre o primeiro e o segundo distrito, Serra de Jurujuba e Serra do Malheiro em Itaipu. Existe ainda a Serra da Tiririca na divisa dos municípios de Niterói e Maricá, que se inicia junto à praia de Itacoatiara e projeta-se até o Engenho do Mato, onde foi criado o Parque Estadual da Serra da Tiririca através da Lei Estadual 1901 de onze de novembro de 1991.
            De caráter expressivo é a Reserva Biológica e Florestal denominada Parque da Cidade, situada no morro da Viração de São de Francisco, com uma altitude de duzentos e setenta metros, com acesso pelo bairro de São Francisco e que se estende até Piratininga, onde alcança a cota de três metros dando lugar em alguns trechos à restinga já quase totalmente descaracterizada que se confronta com a laguna de Piratininga.


Figura 2. Parque Estadual da Serra da Tiririca.

gunas de Piratininga e Itaipu formam o complexo lagunar do município, que foi degradado ao longo dos anos através de um processo de urbanização mal planejado. A bacia hidrográfica das lagunas de Piratininga e Itaipu está situada integralmente em Niterói, na região Oceânica e compreende uma área de 45,5 km², sendo delimitada pelas cristas dos Morros da Viração, Preventório, Sapezal, Santo Inácio e pelas Serra Grande (Morros do Cantagalo e Jacaré) e da Tiririca. A bacia é formada por rios e valas de pequena extensão e pelas lagunas de Piratininga e Itaipu, cujo espelho d’água, somado, é de 3,85 km2. As águas que descem das encostas e escoam pela planície, atingem inicialmente as lagunas e em seguida o maratravés de um canal artificial que liga a Laguna de Itaipu com a praia de mesmo nome, construído em 1979. A Laguna de Piratininga escoa suas águas em direção a Laguna de Itaipu, por intermédio do Canal do Camboatá, que possui 2,15 km, largura média de 9,5 m e profundidade média de 0,40 m. O quadro a seguir, resume as características das lagoas e de sua bacia hidrográfica. A laguna de Piratininga possui cerca de três quilômetros quadrados com uma profundidade que varia de trinta centímetros até um metro e cinqüenta centímetros, sendo mais comprida do que larga, perpendicular ao litoral. Na década de quarenta foi aberto um canal artificial ligando a laguna de Piratininga à laguna de Itaipu, o canal do Camboatá, e em 1979 foi aberto o canal de Camboinhas ligando a laguna de Itaipu ao mar, o que contribuiu para escoar a água da laguna de Piratininga, já que ela está em um nível mais alto do que Itaipu.


Figura 3. Laguna de Piratininga.

QUADRO 1 – CARACTERÍSTICAS ATUAIS DAS LAGUNAS DE PIRATININGA E ITAIPU
Lagoa/
canal
Canal
Área
(km²)

Perímetro
(km)

Prof.
Média
(m)

Amplitude
Média de
Maré
(cm)
Área de
Drenagem
(km²)

Rios Afluentes
(4)





Piratininga





2,62 (1)
2,87 (2)






7,35 (1)





0,9 (3)





2 (3)





23,0 (3)
Vala do Tibau,
Córrego da Viração
(ex-Córrego
Tamboatá), Córrego
do Cafubá (ex-Córrego
Aperta–Cinta), Rio
Arrozal (ex-Rio
Piratininga) e o valão
do Santo Antônio (exvala
da Fonte)



Itaipu (*)



1.23 (1)
1,00 (2)




4,45 (1)



1,2 (3)



30 (3)



22,5 (3)
Rio João Mendes, Rio
da vala (ex-Córrego
Boa Vista), Córrego
dos Colibris ou Tiririca
(ex-Candobe) e vala
de Itacoatiara (ex-
Córrego Itaipu)

Fontes: (1) Prefeitura Municipal de Niterói, FEEMA, UFF (1990) – Diagnóstico Ambiental de Niterói.
(2) Knoppers e Barroso – 1989 – Diagnóstico Ambiental do Sistema Lagunar de Piratininga – Itaipu.
(3) KJERFVE- Estuarine, Coastal and Shelf Science, 42, 1996.
Nota: (*) A Lagoa de Itaipu possui um alagadiço com cerca de 2,0 km² de superfície e 0,10m de profundidade média.

            O acesso para o mar junto à ponte do Tibau foi reaberto com a construção de um túnel que permite que a água do mar penetre na laguna durante a maré cheia. O que resta deste ecossistema composto pelas lagunas de Piratininga, Itaipu, o manguezal e a restinga adjacente têm sido precariamente mantidos como Área de Preservação Ambiental, com respaldo na Lei 9605/98. A laguna de Itaipu é bem menor com cerca de um quilômetro quadrado, porém a profundidade em alguns pontos chega a seis metros. O processo de degradação mais acentuado na laguna de Piratininga, paradoxalmente favorece a avifauna já que impossibilita a prática de esportes aquáticos, o que não ocorre com a laguna de Itaipu onde a prática deste tipo de atividade colabora para diminuir a presença de aves no local.


Figura 4. Outro aspecto da laguna de Piratininga.

            A prática da pesca artesanal por alguns pescadores parece não interferir com as aves das lagunas, entretanto a prática de atear fogo à vegetação para que alguns bovinos e eqüinos possam pastar durante a rebrota do capim, pode prejudicar a comunidade de aves existente.
            Existem várias ilhas litorâneas em Niterói, dentre elas a ilha dos Amores, Caju, Conceição, Mocanguê Grande, Mocanguê Pequena, Boa Viagem, Caximbau, Santa Cruz, Viana, Cardos, todas elas localizadas dentro da baía de Guanabara, além de algumas ilhas oceânicas, Veado, Pimenta, Pai, Mãe e Filha.             Niterói é cortado por vários rios dentre eles o rio Icaraí, o rio Vicência, o rio Santa Rosa, o rio Maria Paula, o rio Caramujo, o rio Muriqui e o rio Várzea das Moças, todos muito assoreados e com seus cursos modificados.


Figura 5. Interior da floresta na Tiririca.

            O presente relato não encerra o estudo sobre a avifauna de Niterói. Ao contrário mostra que muito ainda há por fazer.  Provavelmente um bom número de espécies que não se mostram com facilidade ou não saem de seus ambientes naturais, não estão aqui representados. Algumas espécies nidificam nas ilhas e visitantes ocasionais podem ser nelas vistos em diferentes épocas do ano.

ONDE ENCONTRAR AS AVES?

        
As aves apresentam regime alimentar variado que inclui outras aves, roedores, répteis, anfíbios, peixes e diversos invertebrados, porém um grande percentual é vegetariano utilizando flores, frutos, sementes, folhas e néctar como fonte de alimentação. Por outro lado os vegetais fornecem às aves além de alimento, abrigo, local para pouso e para construção de ninhos. Além disso, as folhas, reentrâncias nos troncos e plantas como as bromélias funcionam como reservatórios de água. Dessa forma as aves estão intimamente entrelaçadas com a vegetação e podemos inferir que a ausência de vegetação é um fator limitante à sobrevivência das aves.

Durante a primeira fase do estudo, foi consultada a bibliografia disponível, e foram anotadas no campo as aves encontradas, observadas à vista desarmada ou com o auxílio de binóculos, e também através de algumas identificações pela voz da ave. As observações foram feitas durante os cinco dias úteis da semana nos trajetos que compreendiam os afazeres diários. Nos finais de semana e feriados, algum ponto da cidade era escolhido para as observações.
            Em uma fase posterior foram dedicadas algumas horas na parte da manhã ao menos duas vezes por semana em um local específico para a observação, e o ponto mais visitado ao longo destes anos foi a laguna de Piratininga e a restinga que a circunda. Desta forma, foi registrado até o final de dezembro de 2004, um total de cento e trinta e oito espécies de aves, distribuídas em quarenta e três famílias (seis subfamílias) dentro de dezoito ordens diferentes. A maioria destas aves pode ser vista ou ouvida por qualquer observador mais cuidadoso. As espécies localizadas provavelmente representam uma pequena parcela de todo o contingente de aves locais, se comparadas as quatrocentas espécies que já foram identificadas no município do Rio de Janeiro (Sick, 1985).
            As aves estão relacionadas por área estudada e também organizadas sistematicamente dentro de ordens e famílias segundo Sick (1985,1997). Também foram consultados Olivério Pinto (1978) e Meyer de Schauensee (1982). Foi adotada a mesma nomenclatura popular utilizada na última edição da Ornitologia Brasileira (Sick 1997), além daquela encontrada em “Nomes populares das aves do Brasil” (Andrade 1982), com menção a outro nome local, quando existente.
            As aves observadas sobre a baía da Guanabara foram consideradas como pertencentes a avifauna do município, tendo em vista serem avistadas ora próximas ao litoral de Niterói, ora próximas ao litoral do Rio de Janeiro, e ainda, por não ser possível determinar um limite definido entre as aves de um e de outro lado da baía.
Relacionamos os locais de observações de acordo com a proximidade ou de acordo com o ambiente predominante, listando as espécies que podem ser observadas nestes locais.

Alto Mourão
Ponto culminante de Niterói (412m) situa-se no limite com o município de Maricá. Pertence ao Parque Estadual da Serra da Tiririca, abrigando uma grande variedade de espécies vegetais, como orquídeas, bromélias, jequitibás, paus-d'alho, etc. Sua fauna remanescente resume-se a tatus, gambás, ouriços-cacheiros, gatos-do-mato, etc. Também chamada de Pedra do Elefante ou Falso Pão-de-Açúcar, esta rocha é um dos roteiros turísticos mais requisitados e conhecidos de Niterói, e sua trilha de acesso inicia-se no Mirante de Itaipuaçu, passando por trecho de capim colonião, e, logo após, Floresta Atlântica em processo espontâneo de regeneração. Aproximadamente após duas horas de caminhada, o percurso torna-se íngreme e rochoso, exigindo o uso de pés e mãos na ascensão. As maiores agressões ambientais visíveis são: abertura e uso de atalhos por freqüentadores pouco conscientes, lixo abandonado nas trilhas e no pico, coleta clandestina de espécies vegetais, caça ilegal, queimadas ocasionadas por balões e cigarro. Existe também uma subida por Itacoatiara, totalmente desaconselhável devido ao seu estado precário com risco de acidentes.
BAIA DA GUANABARA
            Compreende a própria baía (descrever a baia).
Campo De São Bento
A mais antiga área verde programada de Niterói é parte da sesmaria doada a Araribóia em 1568. Recebeu esse nome de seus antigos proprietários beneditinos. Começou a ser construído por volta de 1880, tendo sua urbanização se efetivado em 1908 quando o Prefeito João Pereira Ferraz, em contrato com o arquiteto belga Arsênio Puttmans deu ao campo sua feição atual, com coretos, canteiros e pontes. É a maior área verde de Icaraí, com cerca de 50.000 metros quadrados e abriga centenas de espécies de plantas, entre as quais se destacam o pau-brasil e o pau-ferro. Possui um chafariz e um lago artificial. Acesso pela Av. Roberto Silveira, pela Rua Lopes Trovão, pela Rua Gavião Peixoto e pela Rua Domingues de Sá.
Campus Do Valonguinho
            O campus do Valonguinho da Universidade Federal Fluminense, ocupa o Outeiro de São João Baptista localizado no centro de Niterói. Tem seus limites definidos pela Avenida Visconde de Rio Branco, Hernani de Melo, Possui um pequeno fragmento florestal, em crescimento graças a um programa de reflorestamento encabeçado pelo professor Paulo Fevereiro do Departamento de Botânica.
Centro
            Centro da cidade e os bairros adjacentes, a estação das lanchas, o bairro da Ponta da Areia, o outeiro de São João Batista (Valonguinho), o Jardim São João, e o campus da Universidade Federal Fluminense.

Costão De Itacoatiara
Também chamado de Pedra de Itacoatiara ou Tucum, este monolito rochoso adentra o oceano, formando a Ponta de Itacoatiara, componente notável da praia de mesmo nome, à esquerda de quem olha para o mar.  Com aproximadamente 250m de altura, esta rocha pertence ao Parque Estadual da Serra da Tiririca e possui uma vegetação predominantemente rupícola, com muitas bromélias e orquídeas, além de dois "oásis" de Floresta Atlântica, um em seu cume e outro em sua encosta leste. Sua fauna está representada por répteis como calangos e serpentes, e aves, como gaviões, bacuraus, sabiás, etc. O topônimo tupi Itacoatiara, ita (pedra) coatiara (riscada, lavrada, escrita), provém dos riscos encontrados sobre esta pedra, oriundos de sua formação geológica. Sua trilha, apesar de curta, é rica de emoções, pois possui acentuada inclinação no começo da subida à pedra. Seu maior atrativo é a vista das praias de Itacoatiara e Itaipuaçu, além do litoral oceânico de Niterói e montanhas do Rio. Por ser um percurso breve, pode ser feito à tardinha para observação do pôr-do-sol; ou de madrugada, para o alvorecer. Infelizmente, encontramos lixo, pichação, pessoas coletando bromélias e orquídeas e vestígios de incêndios ocasionados principalmente por pontas de cigarros.
Enseada Do Bananal
Anfiteatro natural de rochas gigantescas, espremido entre o Alto Mourão e o Costão de Itacoatiara. A enseada faz parte do Parque Estadual da Serra da Tiririca, e nela se situa a parte marinha desta unidade de conservação.  Possui cobertura vegetal secundária de Floresta Atlântica, ou seja, já foi destruída diversas vezes e atualmente encontra-se em regeneração, com algumas figueiras, clúsias e carrapeteiras. Abriga inúmeras aves,  alguns mamíferos (ouriço-cacheiro, gambá, cutia), répteis (teiús, jararacas, calangos) e fauna marinha (tartarugas, sargentos, medusas, crustáceos). Tem como atrativos: trilha sombreada e curta, cavernas, piscinas naturais e grande beleza paisagística.Sofre agressões ambientais de alguns de seus freqüentadores, que deixam lixo nos locais visitados (além do trazido pelas marés), picham pedras e árvores, e ocasionam incêndios com fogueiras e cigarro.
Horto Florestal Nilo Peçanha
Foi criado, por decreto do governador Nilo Peçanha, em maio de 1906, com a finalidade de cultivar e distribuir aos lavradores sementes e mudas de frutíferas e plantas medicinais. Sua história é marcada por sucessivas fases de prestígio e declínio e sofreu duas grandes reformas, em 1950 e 1975. Entre as espécies ali existentes há jatobás, jequitibás, jacarandás e sapucaias. Funciona no local, também, a fundação ZOONIT, o mini zoológico da cidade, a Secretária de Agricultura, a EMATER e a PESAGRO.
Lagunas De Itaipu E Piratininga
Compreende a área das lagunas, os manguezais e mais os remanescentes da restinga que as contornam. A laguna de Piratininga fica situada no litoral sul do município de Niterói e ocupa uma área de aproximadamente dois e meio quilômetros quadrados, com uma profundidade que varia de trinta centímetros até um metro e setenta centímetros, sendo mais comprida do que larga, perpendicular ao litoral.e recebe as águas dos rios Jacaré, Arrozal, Santo Antônio e Cafubá, e comunica-se com a laguna de Itaipu através do canal de Camboatá. Apesar de sérios problemas de eutrofização artificial, devido ao esgoto doméstico da região oceânica do município lançado em suas águas através dos rios e a impossibilidade de renovação da água pelo mar, além da ocupação desordenada de suas margens, a laguna abriga uma comunidade de aves bastante significativa, cujas populações oscilam ao longo do ano. O acesso para o mar que existia junto à ponte do Tibau está sendo reaberto com a construção de um túnel que permitirá que a água do mar penetre novamente na laguna. Na década de quarenta foi aberto um canal artificial ligando a laguna de Piratininga à laguna de Itaipu, o canal do Camboatá, e em 1979 foi aberto o canal de Camboinhas ligando a laguna de Itaipu ao mar, o que contribuiu para escoar a água da laguna de Piratininga, já que ela está em um nível mais alto do que Itaipu.
            O que resta deste ecossistema composto pelas lagunas de Piratininga, Itaipu, o manguezal e a restinga adjacente tem sido precariamente mantido como Área de Preservação Ambiental, com respaldo na Lei 9605/98.
            A laguna de Itaipu é bem menor com cerca de um quilômetro quadrado, porém a profundidade em alguns pontos chega a seis metros.
            O processo de degradação mais acentuado na laguna de Piratininga, paradoxalmente favorece a avifauna já que impossibilita a prática de esportes aquáticos, o que não ocorre com a laguna de Itaipu onde a prática deste tipo de atividade colabora para diminuir a presença de aves no local. A prática da pesca artesanal por alguns pescadores parece não interferir com as aves das lagoas, entretanto a prática de atear fogo à vegetação para que os pequenos rebanhos (bovinos e eqüinos) possam pastar durante a rebrota do capim, pode prejudicar a comunidade de aves existente.
Morro Das Andorinhas
Elevação que faz a divisa entre o bairro de Itacoatiara e Itaipu, sendo área de preservação permanente e parcialmente tombada como patrimônio histórico pelo IPHAM e SPHAM.  Sua trilha de acesso inicia-se nos arredores da Igreja de São Sebastião de Itaipu, levando o caminhante a vários mirantes ao longo de sua cumeeira, certamente um dos maiores atrativos do roteiro. No trecho final a trilha se bifurca: para a direita, desce-se até a Casa de Pedra, recanto protegido por rochas a beira-mar; e para a esquerda, chega-se à ponta extrema do morro, com bela vista do oceano, ilhas de Itaipu e litoral do Rio. A flora do Morro das Andorinhas encontra-se em diversos estágios de regeneração, sendo sua cobertura vegetal totalmente composta por mata secundária, com raros espécimes de grande porte. Sua fauna encontra-se depauperada pelos séculos de agressões ambientais, persistindo, no entanto, gambás, serpentes, cutias, lagartos teiús e as aves. O Morro das Andorinhas é rico em atrativos históricos e pré-históricos, pois além de possuir em seus arredores um sítio arqueológico do tipo sambaqui, a Duna Grande, guarda construções históricas importantes, como a Igreja de São Sebastião de Itaipu, construída pelos jesuítas em 1716, e o Recolhimento de Santa Teresa (atual Museu de Arqueologia de Itaipu), de 1645, instituição utilizada antigamente como prisão e retiro de mulheres, além de clausura para esposas e filhas de fazendeiros em viagem. Aos pés do morro ainda está preservada a tradicional comunidade de pescadores de Itaipu, no chamado Canto Sul - apesar da invasão e descaracterização do local por bares, restaurantes e visitação excessiva de turistas. A maior ameaça à integridade ambiental do Morro das Andorinhas está, seguramente, nas invasões de sua área. Na encosta voltada para Itacoatiara, pode-se observar o crescimento de uma verdadeira "favela" de ricos, à revelia da legislação ambiental e do cidadão consciente. Por causa desta invasão "legalizada", a trilha que ligava Itaipu a Itacoatiara - e que certamente deve ter servido às populações pré-históricas que ali habitaram sucessivamente durante milênios - hoje está fechada.
Parque Da Cidade
Reserva biológica municipal, localizada no alto do Morro da Viração, numa altitude de 270 metros, ocupando uma área de cerca de 15 hectares, foi inaugurado em 21 de setembro de 1976. No local existe uma fonte natural e algumas ruínas de um posto de Atalaia português dos anos 1500/1600. A mata do parque é formada predominantemente de eucaliptos e alguns exemplares remanescentes da Floresta Atlântica. Possui um mirante e dele pode-se ter uma visão panorâmica das lagunas de Piratininga e Itaipu; das praias de Piratininga, Itaipu e Camboinhas; e de alguns bairros; da Baía de Guanabara em toda a sua extensão e do mar aberto, até  o horizonte. Avista-se, também, a cidade do Rio de Janeiro com alguns de seus bairros e a Ponte Rio-Niterói. O Parque da Cidade é freqüentado pelos praticantes de vôo livre, possuindo duas rampas para a prática deste esporte. O acesso é feito a partir da Igreja de São Francisco Xavier, passando pelo antigo Clube Hípico Fluminense e subindo pela Estrada Nossa Senhora de Lourdes.

Parque Estadual Da Serra Da Tiririca (Pest)
          Começa entre as Praias de Itacoatiara e Itaipuaçu (Município de Maricá), estendendo-se entre Niterói e Maricá até a Rodovia Amaral Peixoto (RJ 106) na divisa com São Gonçalo. Apresenta nos trechos mais elevados porções significativas de matas em bom estado de conservação. A serra é basicamente revestida por mata secundária em vários estágios de regeneração e sua flora é composta em sua maioria por espécies nativas da Floresta Atlântica. Merece registro a presença de maçarandubas, palmitos, figueiras, monjolos, aroeiras e paineiras.  O Parque Estadual da Serra da Tiririca é administrado pelo INEA (Instituto Estadual de Ambiente). Neste parque encontramos o ponto mais alto da cidade, o alto Mourão com 412m.

Parque Monteiro Lobato
Situado no Barreto, e com 34 mil metros quadrados de área, o então horto municipal, criado na década de 50, foi transformado em parque em 1978. Entre as espécies da flora existentes no parque há madeiras nobres como o pau-brasil, o mogno e a nogueira, além de diversos tipos de palmeiras e até mesmo uma corticeira centenária. Hoje também funciona ali um horto de produção de mudas para reflorestamento e arborização da cidade.
Praias
            Todo o litoral de praias, tanto da baía, como as oceânicas: Ponta d’Areia, Gragoatá, Boa Viagem, Flechas, Icaraí, São Francisco, Charitas e Jurujuba no interior da baía. Piratininga, Camboinhas, Itaipu e Itacoatiara pelo lado do Oceano Atlântico.
Rodovia Niterói Manilha (Br 101)
            Compreende um trecho de manguezais do fundo da baía da Guanabara, desde a ilha da Conceição até a desembocadura do rio Bomba no limite com o município de São Gonçalo.
Santa Rosa
            Bairro afastado do centro e localizado em um vale entre os morros da Ititioca, Bumba, com uma razoável cobertura vegetal remanescente.
Travessia São Francisco A Piratininga
Talvez a mais tradicional caminhada de Niterói esta travessia inicia-se na Estrada da Viração, nas proximidades da Igreja de São Francisco Xavier, continuando até o Parque da Cidade em subida íngreme, e de lá seguindo a cumeeira dos Morros do Preventório e da Viração, através de estradinhas de terra e trilhas, até descer ao bairro Jardim Imbuí, à beira da laguna de Piratininga. Daí até a Praia do Marazul (ou Prainha, como é mais conhecida) são apenas alguns minutos. Seus maiores atrativos são as vistas panorâmicas que se descortinam, tanto do lado da Baía de Guanabara quanto da Região Oceânica de Niterói - além do melhor ângulo que se pode ter do Pão-de-Açúcar, no Mirante da Viração. Sua trilha adentra os últimos resquícios de floresta do conjunto de morros que divide os bairros de São Francisco e Charitas da Região Oceânica. A cobertura vegetal ora apresenta-se em áreas de reflorestamento de eucalipto e mata secundária, ora em áreas degradadas, invadidas por posseiros ou tomadas por capim colonião, demonstrando claramente os prejuízos da pressão urbana no local.  A fauna nativa remanescente ficou reduzida a pequenos mamíferos (gambá, tatu, cuíca, morcegos), répteis (jararacas, corais, teiús) e as aves. A grande ameaça à manutenção desta área apropriada à observação de aves está no crescimento das atuais favelas, seja no interior do Morro da Viração, seja no Morro do Preventório.
Vital Brasil
        Bairro onde estão instalados o Instituto Vital Brasil e a Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal Fluminense. É um bairro residencial relativamente bem arborizado, o que favorece a presença de algumas aves mais sinantrópicas.

AS AVES

FAMILIA

ESPÉCIE
NOME POPULAR
SPHENISCIDAE

Spheniscus magellanicus

Pinguim-de-Magalhães
PODICIPEDIDAE
Podilymbus podiceps
Tachybaptus dominicus    
Mergulhão
Mergulhão-pequeno
PROCELLARIDAE
Puffinus puffinus     
Bobo pequeno
PHAETHONTIDAE
Phaethon aethereus
Rabo de palha
SULIDAE
Sula leucogaster
Atobá
PHALACROCORACIDAE
Phalacrocorax brasilianus
Biguá
FREGATIDAE

Fregata magnificens                     

Fragata, tesourão
ARDEIDAE
 Ardea cocoi      
Egretta alba
Egretta thula
Bubulcus ibis          
Egretta caerulea
Nycticorax nycticorax
Butorides striatus
Maguari, socó grande
Garça-branca-grande
Garça-branca-pequena
Garça-vaqueira
Garça-azul, garça-morena
Savacú, socó-dorminhoco
Socoí
THRESKIORNITHIDAE
Phimosus infuscatus
Ajaia ajaja    
Tapicurú de cara pelada
Colhereiro, aiaiá

CATHARTIDAE
Coragyps atratus
Cathartes aura
Cathartes burrovianus
Urubu
Urubu de cabeça vermelha
Urubu de cabeça amarela

ANATIDAE
Dendrocigna viduata
Anas bahamensis
Netta erythrophtalma
Amazonetta brasiliensis
Marreca irere, irere
Marreca toicinho
Paturi-preta
Marreca pé vermelho





ACCIPITRIDAE
Leptodon cayanensis
Chondrohierax uncinatus
Rupornis magnirostris
Leucopternis lacernulata
Buteogallus meridionalis
Parabuteo unicinctus
Buteo albicaudatus
Buteo brachyurus
Harpyhaliaetus coronatus
Elanoides forficatus
Gavião de cabeça cinza
Gavião caracoleiro
Gavião carijó
Gavião pomba
Gavião caboclo
Gavião asa de telha
Gavião de cauda branca
Gaviaão de cayda curta
Águia cinzenta
Gavião-tesoura
PANDIONIDAE
Pandion haliaetus
Aguia pescadora




FALCONIDAE




Herpetotheres cachinans
Milvago chimachima
Caracara plancus
Falco peregrinus
Falco femoralis
Falco sparverius
Falco rufigularis
Micrastur ruficollis
Acauã
Carrapateiro
Carcará, gavião carcará
Falcão peregrino
Falcão de coleira
Quiriquiri, gavião quiriquiri
Cauré
Gavião
ARAMIDAE
Aramus guarauna
Carão


RALLIDAE
Rallus nigricans
Rallus sanguinolentus
Porzana albicollis
Aramides cajanea
Gallinula chloropus
Porphyrula martinica
Saracura sanã
Sanã
Sanã carijó
Saracura tres potes
Frango d’água
Frango d’água azul
CARIAMIDAE
Cariama cristata
Seriema
JACANIDAE
Jacana jacana
Jaçanã, piaçoca
HAEMATOPODIDAE
Haematopus palliatus
Piru-piru
CHARADRIDAE
Vanellus chilensis
Charadrius collaris
Quero-quero
Batuíra de coleira
SCOLOPACIDAE
Gallinago gallinago
Tringa flavipes
Narceja
Maçarico de perna amarela
STERCORARIDAE
Stercorarius parasiticus
Gaivota rapineira

LARIDAE
Larus dominicanus
Sterna hirundinacea
Sterna eurygnatha
Gaivotão, gaivota
Trinta réis de bico vermelho
Trinta réis de bico amarelo
RYNCHOPIDAE
Rynchops niger
Talha-mar, corta água


COLUMBIDAE
Patagioenas picazuro
Columba livia
Columbina talpacoti
Columbina minuta
Leptotila verreaux
Trocal
Pombo doméstico
Rolinha
Rolinha de asa canela
Juriti




PSITTACIDAE
Diopsittaca nobilis
Primolius maracana
Aratinga leucophtalma
Aratinga aurea
Pirrhura frontalis
Brotogeris tirica
Nandayus nenday
Amazona aestiva
Amazona amazonica
Maracanã nobre
Maracanã
Periquitão maracanã
Periquito estrela
Tiriba de testa vermelha
Periquito rico
Periquito de cabeça preta
Papagaio verdadeiro
Curica

CUCULIDAE
Crotophaga ani
Crotophaga major
Guira guira
Tapera naevia
Piaya cayana
Anu preto
Anu coroca. Groló
Anú branco
Saci, peixe frito
Alma-de-gato, rabilonga
TYTONIDAE
Tyto alba
Suindara, coruja das torres


STRIGIDAE
Otus choliba
Glaucidium brasilianum
Speotyto cunicularia
Rhinoptynx clamator
Strix huhula
Corujinha do mato
Caburé
Coruja buraqueira
Coruja orelhuda
Coruja preta
NICTIBIIDAE
Nictibius griseus
Urutau, mãe da lua
CAPRIMULGIDAE
Hydropsalis brasiliana
Caprimulgus longirostris
Bacurau tesoura
Bacurau da telha
APODIDAE
Streptoprocne zonaris
Chaetura andrei
Andorinhão de coleira
Andorinhão-do-temporal

TROCHILIDAE
Eupetomena macroura
Melanotrochilus fuscus
Chlorostilbon aureoventris
Amazilia fimbriata
Hylocharis cyanus
Thalurania glaucopis
Beija flor tesoura
Beija flor preto e branco
Besourinho bico vermelho


PICIDAE
Colaptes campestris
Melanerpes flavifrons
Picumnus cirratus
Celeus flavescens
Pica pau do campo
Benedito de testa amarela
Pica pau anão barrado
Pica pau cabeça amarela
RAMPHASTIDAE
Selenidera maculirostris
Araçari-poca
ALCEDINIDAE
Ceryle torquata
Martim pescador grande
THAMNOPHILIDAE

Thamnophilus palliatus

Choca listrada
FURNARIIDAE
FURNARIINAE

SYNALLAXINAE

 

Furnarius rufus

Furnarius figulus

Certhaxis cinnamomea

João-de-barro
João-nordestino
Curutié





TYRANNIDAE
Camptostoma obsoletum
Myiophobus fasciatus
Fluvicola nengeta
Arundinicola leucocephala
Tyrannus melancholicus
Tyrannus savana
Megarhynchus pitangua
Hirundinea ferruginea
Pitangus sulphuratus
Myiozetetes similis
Todirostrum poliocephalum
Todirostrum cinereum
Myiophobus fasciatus
Elaenia flavogaster
Satrapa icterophrys
Myiodynastes maculatus
Risadinha

Lavadeira mascarada
Viuvinha
Suirirí
Tesourinha
Benteví de bico chato
Gibão de couro
Benteví
Bentevizinho penacho verm
Teque teque

Filipi
Guaracava barriga amarela
Suiriri pequeno
HIRUNDINIDAE
Notiochelidon cyanoleuca
Tachyneta leucorrhoa
Stelgidopteryx ruficollis
Andorinha das casas
Andorinha sobre branco
Andorinha serrrador
TROGLODYTIDAE
Thryothorus longirostris
Troglodytes musculus
Donacobius atricapillus
Garrinchão bico grande
Cambaxirra, garrincha
Japacanim
MUSCICAPIDAE
TURDINAE

Turdus rufiventris
Turdus amaurochalinus
Turdus leucomelas
Platycichla flavipes
Sabiá laranjeira
Sabiá poca
Sabiá barranco
Sabiá una
MIMIDAE
Mimus saturninus
Sabiá do campo

MOTACILLIDAE
ICTERINAE




 
PARULINAE

COEREBINAE
THRAUPINAE








EMBERIZINAE
Anthus lutescens
 
Icterus jamacaii
Leistes superciliaris
Gnorimopsar chopi
Molothrus bonariensis
Agelaius ruficapillus
Parula pitiayumi
Geothlyps aequinoctialis
Coereba flaveola
Thlypopsis sordida
Hemithraupis ruficapilla
Ramphocelus bresilius
Euphonia chlorotica
Thraupis sayaca
Thraupis palmarum

Schistochlamis ruficapilla

Tangara seledon
Dacnis cayana
Cyanerpes cyaneus
Conirostrum speciosum

Coryphospingus pileatus

Volatina jacarina
Sporophila caerulescens
Sporophilaangolensis
Sicalis flaveola
Zonotrichia capensis
Tiaris fuliginosa

Caminheiro zumbidor

Corrupião
Polícia inglesa
Melro
Chopim, gaudério,
Garibaldi

Mariquita
Pia cobra
Cambacia, mariquita
Saí canário
Saíra
Tié sangue
Gaturamo, vivi
Sanhaço cinzento
Sanhaço do coqueiro
Bico de veludo
Saíra sete cores


Saí azul
Saíra beija flor
Figuinha de rabo castanho
Galinho-da-serra
Tiziu
Coleiro papa capim
Curió, avinhado
Canário da terra
Tico tico
Cigarra do coqueiro
PASSERIDAE
Passer domesticus
Pardal
ESTRILDIDAE
Estrilda astrild
Biquinho de lacre

Aves na Laguna de Piratininga








 Aves na Rodovia Niterói - Manilha



CRÉDITOS FOTOGRÁFICOS
Antonio Carlos da Silva Bressan
Roberto da Rocha e Silva
Felipe André Dias Lemos
Môsar Lemos
NELTUR

LITERATURA CONSULTADA:

Nenhum comentário:

Postar um comentário